Bem-vindo à Pelargos Baby!

Pelargos Baby

Diversificação de comida para bebé. Quando? Como? O quê?

O bebé dá um passo crucial no aprendizado do sabor quando come puré de cenoura pela primeira vez.

As crianças gostam de provar coisas novas. A variedade alimentar é uma aventura culinária para os bebés, que descobrem a textura sólida e mista mais espessa do que o leite ( https://pelargosbaby.pt/product/miniland-robot-de-cozinha-chefy-6/ ).

Esqueça as refeições em que o babete fica com algumas nódoas. De fato, as crianças gostam de mexer na comida para sentir a sua consistência. Além disso, o bebé integra a mesa familiar: na sua cadeira alta de papa, ele participa na refeição à sua maneira com os pais ( https://pelargosbaby.pt/product/joie-mimzy-snacker-alphabet/ )

É importante incentivar momentos de convívio. Um estudo recente diz que 29% das crianças de 0 a 3 anos fazem as suas refeições em frente a um ecrã (televisão, computador etc.). Esses hábitos alimentares causam uma falta de prazer e de descoberta dos alimentos nas crianças. Portanto, é importante variar a dieta, mas também prestar atenção em como você prepara as refeições.

No entanto, a inserção de variados alimentos deve ser feita de uma forma progressiva. Ao saltar etapas e introduzir certos alimentos demasiado cedo, as crianças podem vir a criar intolerâncias ou até alergias, o que pode culminar com a remoção de alguns alimentos para o resto da vida.

Até aos 6 meses, apenas o leite materno ou em pó de 1ª ou 2ª idade são necessários para alimentar os bebés.

De 4 a 9 meses: uma dieta mista cheia de sabores

A inserção de uma grande variedade de alimentos ocorre entre os 4 e 18 meses. As crianças passarão então, de uma dieta pouco variada e semilíquida a uma alimentação quase idêntica a dos adultos.

Entre os 4 e 6 meses, as crianças experimentam os primeiros vegetais: cenoura, alho-porro, feijão verde, espinafre, abobra, brócolos. Devem escolher um vegetal de cada vez.

Somente a batata pode ser usada como aglutinante. A preparação deve assemelhar-se a uma sopa grossa sem pedaços, por forma a que possa ser dada com uma colher ( https://pelargosbaby.pt/product/fresk-conjunto-de-refeicao-em-bambu/ )

Três semanas após a introdução dos vegetais, o bebé pode então saborear as primeiras peças de fruta sob a forma de compota. Opte por estes sabores: maçã, banana, pera, pêssego ou nectarina.

Legumes e frutas são fontes essenciais de fibras, vitamina C e B9, betacaroteno e minerais. No entanto, o trânsito intestinal da criança pode ser perturbado com a introdução de alimentos sólidos.

Esse problema pode ser resolvido naturalmente, fornecendo os produtos certos. Em caso de obstipação, a compota de maçã ou ameixa pode facilitar o trânsito intestinal. Por outro lado, em caso de diarreia, aposte em frutas consistentes, como bananas ou marmelo.

Se fizer purê ou compota, escolha cozinhar a vapor ou em água. A preparação deve ser bem misturada, sem adição de sal ou açúcar.

Aos 6 meses, os pais podem introduzir carne, como presunto, cordeiro, vitela, aves ou carne bovina. 20 gramas por dia é suficiente. A carne deve ser picada e, acima de tudo, bem cozida. Esta fornece proteína e ferro.

Mesmo que o leite continue sendo um alimento básico, o bebé pode ter uma ingestão adicional de cálcio e proteínas, graças aos laticínios, na forma de iogurte natural ou “petit-suisse”.

Aos 7 meses, é possível dar biscoitos e pão específicos para bebés, fornecendo assim amido e vitamina B.

Para cozinhar ou para colocar no pão, pode começar a introduzir gorduras com moderação: manteiga, uma fonte de vitamina A e uma colher de óleo. Opte por óleos de nozes, colza, ricos em ômega 3, gérmen de trigo ou girassol, cheios de ômega 6.

Após a carne, o bebé pode ter outras fontes de proteína, como gema de ovo ou peixe (pescada, linguado, robalo, solha ou bacalhau). O salmão selvagem e o atum são perfeitos para trazer ácidos essenciais à dieta. Cozinhar a vapor.

As crianças de 7 meses crescem e dominam cada vez mais a mastigação. Agora podem comer frutas picadas e uvas sem sementes.

De 9 a 18 meses, alimentação  a moda “adulto”

Aos 9 meses, alimentos ricos em amido podem ser introduzidos nos alimentos para o bebé. As crianças vão também descobrir os cereais: macarrão, aletria, sêmola … mas também ovos completos.

O bebé pode agora provar quase todos os queijos, exceto aqueles feitos com leite cru. Estes últimos não são recomendados antes dos 2 anos de idade. A variedade de vegetais pode ser agora alargada aos tomates, beterrabas vermelhas, couve-flor e aipo.

Com 1 ano de idade, o sistema digestivo das crianças é mais sólido e maduro, o que lhes permite consumir frutas, até então proibidas, como kiwis, morangos ou frutas exóticas.

Eles também podem comer vegetais ricos em fibras, como repolho verde, couve de Bruxelas ou alcachofra. Evite frutos secos, como nozes, avelãs, amêndoas ou amendoins. Estes só podem ser consumidos por crianças desta idade quando exclusivamente preparados em pó. São fontes de lipídios e vitamina E.

Aos 18 meses, para completar a sua diversificação alimentar, pode introduzir arroz e leguminosas, como feijão e lentilha, relativamente mais difíceis de digerir. No entanto, são fontes significativas de fibra, proteína e ferro.